Tribunal colombiano realiza audiência em metaverso

Um tribunal na Colômbia resolveu inovar e promover uma audiência no metaverso. O fato aconteceu no início do mês. Será que o futuro chegou?

Conteúdo

O Tribunal Administrativo de Magdalena da Colômbia realizou seu primeiro julgamento no metaverso, no início deste mês. A audiência durou duas horas, e os participantes foram representados por avatares no tribunal virtual.

O objetivo da iniciativa era tornar a experiência mais genuína, dando a impressão de que os personagens estavam de fato interagindo uns com os outros.

Segundo a magistrada Maria Quinones Triana, o julgamento no metaverso foi uma experiência incrível. Ela acredita que a tecnologia pode ser utilizada para melhorar a justiça e tornar as audiências mais acessíveis e eficientes.

O caso em questão foi movido por um sindicato regional de transporte contra a polícia, e agora deverá ser parcialmente tratado no metaverso, inclusive a sentença.

No entanto, a magistrada reconhece que a iniciativa não é popular, com 70% dos espectadores da audiência online desaprovando a experiência.

Embora a realização de audiências virtuais tenha se tornado cada vez mais comum, poucos tribunais experimentaram o metaverso até o momento. A iniciativa colombiana é um exemplo da tendência crescente de utilização da tecnologia para aprimorar processos judiciais.

Como isso foi possível?

Em 10 de fevereiro, a Magistrada Maria Victoria Quiñones do Tribunal Administrativo de Magdalena realizou uma audiência na qual o Sindicato de Serviços Integrados e Especializados de Trânsito e Transporte de Santa Marta (SIETT) estava processando a Polícia Nacional e o Ministério da Defesa.

A audiência, realizada em um dos Horizon Workrooms da Meta, foi na verdade ideia do requerente, conforme relatado pelo site de informações jurídicas JD Supra.

“O uso desse tipo de tecnologia imersiva visa tornar as tendências procedimentais atuais efetivas, pois permite a presença do mesmo espaço virtual, mesmo quando as pessoas estão fisicamente em outro lugar, sem deixar de lado as garantias processuais e os princípios de justiça digital”

Decidiu a magistrada.

Embora os participantes pudessem participar com tecnologia de videochamada regular – que parecia que estavam em uma tela de TV no tribunal 3D – aqueles com fones de ouvido de RV podiam usar avatares que podem ser personalizados para se parecerem (vagamente) com eles.

O ponto é que seria uma experiência mais imersiva do que a audiência do Zoom que se tornou amplamente utilizada e aceita durante o surto inicial de COVID.

É claro que isso levou a comentários céticos no Twitter e dada a natureza de um tribunal, a capacidade de garantir que a pessoa certa esteja por trás de um avatar provavelmente precisa de mais trabalho antes que os procedimentos do tribunal possam encontrar uma casa mais permanente no metaverso.

Comentários

Regras de uso dos comentários:

  • Comentários de novos usuários serão liberados apenas manualmente em até 24 horas.
  • Usuários já registrados, poderão enviar comentários automaticamente.
  • Não é permitido ofensas, racismo, palavrões ou qualquer tipo de conduta imprópria.
  • Não é permitido envio de links externos.
Seguir
Me notifique quando
guest
0 Comentários
Feedbacks Inline
Ver todos os comentários